Coronavírus - Todos juntos para combater a epidemia

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China. Provoca a doença chamada de coronavírus (COVID-19).

No Brasil o novo coronavírus tem se espalhado exponencialmente, isso porque a transmissão do COVID-19 acontece de maneira muito acelerada, por isso é fundamental que tenhamos à consciência de que devemos trabalhar juntos para combater o vírus.

Fique atento as dicas abaixo e nos conteúdos reproduzidos pelo Ministério da Saúde. Aproveite para baixar a cartilha com dicas de prevenção e informações sobre o vírus.

Como se proteger da doença

Não existe nenhuma vacina específica para o coronavírus até o momento. O Ministério da Saúde ressalta que a transmissão da doença é menos intensa do que a da gripe comum e que, assim como outras infecções respiratórias, o contágio acontece pelo ar ou contato com superfícies e objetos que estejam contaminados, seguido do hábito de levar as mãos à boca, ao nariz e aos olhos. Mas o principal meio de transmissão acontece entre pessoas. Por isso adote as seguintes recomendações:

● Lave as mãos frequentemente com água e sabão; se não puder, higienize com álcool 70%
● Ao tossir ou espirrar, cubra a boca e o nariz com o antebraço ou lenço de papel
● Higienize muito bem as mãos antes de tocar o rosto, os olhos, a boca e o nariz
● Não se aproxime de pessoas que apresentam os sintomas da doença
● Caso você apresente algum sintoma, fique em casa e evite o contato com outras pessoas. Beneficiários SulAmérica Saúde podem tirar dúvidas e obter informações a distância por meio dos serviços Médico na Tela e Canal Telefônico Coronavírus (ambos facilmente acessados pelo aplicativo SulAmérica Saúde)
● Mantenha os ambientes bem ventilados
● Evite aglomerações e, se puder, mantenha distanciamento social

Orientações para Idosos e Pessoas com Doenças Crônicas

O coronavírus infecta pessoas de qualquer idade, porém pessoas idosas e com condições crônicas de saúde têm maior risco de contrair a doença e evoluir de forma mais grave. De forma geral, pessoas idosas (de 60 anos ou mais) ou portadores de doenças crônicas (cardiopatias, diabetes, doenças pulmonares e asma) ou com quadros de imunodepressão (HIV, transplantados, uso de quimioterapia, uso de imunobiológicos) estão no grupo de vulnerabilidade ao coronavírus.

Perguntas e Respostas:

1. Por que idosos e doentes crônicos são mais vulneráveis ao Coronavírus? De forma geral, pessoas idosas (de 60 anos ou mais) ou portadores de doenças crônicas (cardiopatias, diabetes, doenças pulmonares e asma) ou com quadros de imunodepressão (HIV, transplantados, uso de quimioterapia, uso de imunobiológicos) estão no grupo de vulnerabilidade ao Coronavírus. Essas pessoas têm cerca de duas vezes mais chance de manifestar a COVID-19 de forma mais grave, e têm uma resposta imune (sistema imunológico) menos eficiente. As pessoas mais velhas (80 e mais) têm ainda maior risco.

2. Meus familiares idosos devem manter a rotina de atividades fora de casa? A recomendação é sair de casa somente se for necessário. Manter contato com outras pessoas é importante para saúde mental, em especial em momentos de grande ansiedade. Falar com amigos e familiares por telefone ou outros meios a distância é muito importante.

3. As visitas (de filhos, amigos e cuidadores) aos idosos/crônicos devem ser evitadas? As visitas não são recomendadas se o visitante tiver sinais ou sintomas da COVID-19. Mesmo visitantes sem sintomas é importante evitar ou limitar o número neste momento. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que seja solicitado que as pessoas se mantenham a distância de pelo menos 1 metro e lavem as mãos com água e sabão assim que chegarem ao ambiente. Profissionais de saúde, como cuidadores, enfermeiros e fisioterapeutas devem redobrar as recomendações de higiene e caso tenham sintomas não devem ir à casa do idoso/crônico.

4. E se meu familiar estiver em uma casa de repouso, devo parar de visitá-lo? Siga as recomendações da casa de repouso e aproveite para perguntar sobre as medidas de prevenção que estão tomando. Algumas casas estão restringindo as visitas de pessoas que não fazem parte do círculo mais próximo de suporte familiar do idoso.

5. O Idoso/Crônico deve se isolar e não sair de casa? A recomendação é esta neste momento. O “distanciamento social” é uma estratégia de saúde pública usada para limitar a interação humana a fim de evitar a propagação de doenças infecciosas. Permaneça em casa e evite receber visitas. Caso não seja possível, mantenha as medidas de higiene e limpeza para evitar a disseminação do coronavírus na sua casa. Se tiver de sair, evite visitar locais com muito cheios e em horário de pico, mantenha distância de 1 metro das outras pessoas do ambiente e faça a higiene recomendada ao voltar para casa.

6. Devo manter as consultas rotineiras do idoso/crônico ao médico? O ideal é remarcá-las, para não ter de sair de casa nesse período. É importante avaliar com o médico se esse é o procedimento indicado. Portanto, ligue e confirme com ele antes de ir ao consultório.

7. Devo beijar e abraçar meu familiar idoso? Não, o melhor é evitar cumprimentos calorosos nesse momento. O contato físico próximo facilita o contágio pelo coronavírus.

8. Devo usar máscara no contato com meu familiar idoso/crônico? Durante o dia a dia máscaras não protegem as pessoas do coronavírus. As máscaras de proteção devem ser utilizadas apenas por pessoas infectadas pelo coronavírus e cuidadores, familiares e profissionais de saúde que mantêm contato direto com o paciente doente. A melhor forma de prevenir a infecção é lavar bem as mãos.

9. Devo levar o meu familiar para tomar vacina da gripe nos postos de saúde? A recomendação é, sim, tomar a vacina. Ainda assim, durante a pandemia do coronavírus, é bom evitar aglomerações, o que às vezes acontece nas filas de vacinação dos postos de saúde. Veja algumas atitudes recomendadas para tomar a vacina da gripe com segurança.

São Francisco Vida – Dicas

7 mitos sobre a doença

CUIDADO COM AS FAKE NEWS: As fake news sobre o vírus causador da COVID-19 provocam pânico e atrapalham a prevenção e o tratamento corretos da doença. Confira alguns mitos:

O ÁLCOOL GEL NÃO FUNCIONA NA PREVENÇÃO CONTRA O VÍRUS
Embora circule nas redes sociais a informação de que o vinagre seria mais eficiente para higienizar as mão e evitar o contágio pelo coronavírus, o Ministério da Saúde e outros órgãos mundiais recomendam lavar as mãos com água e sabão ou, se não disponível, usar álcool gel 70%. O vírus permanece vivo em superfícies de metal, vidro e plástico, mas é facilmente exterminado com álcool gel 70%, segundo estudo publicado no Journal of Hospital Infection (em inglês).

CHÁ DE ERVA-DOCE MATA O VÍRUS
Com o argumento de que o chá de erva-doce carrega a mesma substância do medicamento Tamiflu, usado no tratamento da gripe H1N1, corre nas redes sociais um vídeo aconselhando as pessoas a ingerirem duas doses diárias da bebida (uma xícara a cada 12 horas) para matar o vírus. O Ministério da Saúde ressalta que, até o momento, não há nenhuma substância, alimento, vitamina ou vacina que possa prevenir a infecção.

TOMAR BANHO QUENTE AJUDA A PREVENIR A DOENÇA
Os países do mundo com maior incidência de casos da infecção pelo novo coronavírus estão no fim do inverno, o que tem levado muita gente a acreditar e espalhar a informação de que o vírus não se propaga no calor. Consequentemente, banhos bem quentes funcionariam como medida de prevenção contra a doença. A OMS publicou que a temperatura corporal normal do ser humano, entre 36.5°C e 37°C, não é alterada com a água quente do banho. O comunicado também alerta que o banho em alta temperatura pode provocar queimaduras na pele.

COMER ALHO CRU COMBATE O CORONAVÍRUS
O alho é comprovadamente um alimento com propriedades antimicrobianas capazes de aumentar a imunidade. Porém, a sugestão de internautas para as pessoas consumirem o alimento cru para conter o vírus não tem evidência científica, segundo a OMS.

O VÍRUS É TRANSMITIDO POR MEIO DE ITENS IMPORTADOS DA CHINA
Como a China é um dos maiores exportadores comerciais do mundo, existe o boato de que itens importados de lá poderiam levar o vírus para os países importadores, o que aumentaria muito a contaminação no mundo inteiro. Segundo o Ministério da Saúde, não é verdade que produtos vindos do país asiático cheguem contaminados ao local de destino.

A COVID-19 É UMA GRIPE COMO OUTRA QUALQUER
Os sintomas são semelhantes aos da gripe, porém, nos casos em que a doença evolui, surgem complicações respiratórias graves. Ainda levará um tempo para que a COVID-19 seja totalmente entendida, mas os dados atuais mostram que a taxa de mortalidade pela doença está entre 3% e 4%.

A VITAMINA D PREVINE O CORONAVÍRUS
Obtida a partir de suplementos vitamínicos, alguns alimentos e a exposição ao sol, a vitamina D reforça o sistema imunológico. Mas a associação entre a vitamina e a prevenção contra o coronavírus, feita em mensagens eletrônicas envolvendo a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), não procede. Em nota oficial, a SBI afirma que não há evidências científicas que comprovem a eficácia da vitamina D contra a vírus causador da doença respiratória.

Ministério da Saúde – Informações Gerais

Ministério da Saúde – Fake News

Ministério da Saúde – Viajantes

Tamanho do Texto
Contrates